Tecnologias sustentáveis de acesso à água é o foco da ampliação do Programa Viva Sabiá que será apresentado no dia 30 de março

por Tatiana Fontenelle

É cada vez mais necessário discutir sobre a escassez da água e buscar soluções para preservar os recursos hídricos. Apesar de o Brasil abrigar 12% da água doce no mundo, as áreas suscetíveis à desertificação (ASDs), no país, estão presentes em 1.488 municípios, abrangendo quase 16% do território nacional. Muitas estão no Rio Grande do Norte, que possui mais de 90% da sua área na região do polígono da seca.

Neste dia 22 de março, quando é celebrado o Dia Mundial da Água e são endossadas as discussões sobre o assunto, bem como alternativas para a utilização consciente da água, o grupo PetroReconcavo e a Fundação do Banco do Brasil, juntamente com a ONG AVSI Brasil,  apresentam a fase de ampliação do Programa Viva Sabiá, que será lançada no dia 30 de março, na comunidade Monte Alegre I (Upanema).

Criado em 2021, a partir de um diagnóstico participativo com as comunidades localizadas no entorno dos campos de petróleo, ativos do Rio Grande do Norte (Ativo Potiguar), o Viva Sabiá  tem o objetivo de promover o desenvolvimento sustentável de comunidades rurais potiguares por meio de tecnologias de convivência com o Semiárido e de práticas educativas, socioeconômicas e ambientais.

Nesta fase de ampliação do Programa Viva Sabiá, estão sendo implementadas tecnologias sustentáveis de acesso à água. É por meio de 60 cisternas, 30 sistemas de Bioágua e 60 Aqualuz (que purifica a água através da luz solar), que mais de 450 pessoas terão acesso à água para o consumo humano e para a agricultura sustentável.

A implementação do Aqualuz possibilitará um aumento de 960 mil litros de água para o consumo domiciliar. Com isso, os moradores das comunidades rurais podem armazenar água da chuva e reduzir a dependência do abastecimento por meio de carros-pipa.

Na primeira edição do programa, 210 pessoas foram beneficiadas com 45 mil litros de água tratada por meio do sistema Aqualuz, que foi premiado pela ONU e é desenvolvido pela empresa de impacto social SDW.

Ainda nesta fase de ampliação, junto à comunidade, estão sendo feitos 30 sistemas de Bioágua Familiar com apoio a uma Unidade Produtiva Agroecológica. O Bioágua reusa águas da pia, do chuveiro, da lavagem de roupas, entre outros, promovendo o saneamento rural de águas cinzas e destinando-as para o cultivo agrícola familiar.

Integrada a estas tecnologias, o Programa realizará um forte trabalho de educação ambiental, através de campanhas escolares, ampliando para mais de 2000 alunos e 30 educadores a temática sobre o uso e aumento da eficiência da água e tecnologias de convivência com o Semiárido. 

“Temos investido em iniciativas que tragam a possibilidade de trabalhar os 3 pilares da sustentabilidade, o eixo social, econômico e ambiental tanto no curto praz. O Programa Viva Sabiá segue esta linha ao apoiar comunidades, no entorno de nossas operações, para a promoção do bem-estar e da geração de renda, integradas às soluções Eco Sustentáveis, tanto no curto prazo, com projetos que impactam de imediato a vida das pessoas, quanto no longo prazo, com programas de educação socioambiental”, explica Felipe Araujo, Diretor de Gente, Gestão & Sustentabilidade.

Estratégias integradas regenerativas baseadas na convivência com a semiaridez têm demonstrado maior resiliência às condições climáticas adversas bem como tem trazido possibilidades de desenvolvimento para as populações mais vulneráveis. “A Fundação Banco do Brasil investe, há quase 40 anos, no desenvolvimento socioambiental do país, conectando as Tecnologias Sociais (TS) aos seus programas de Educação para o Futuro, Meio Ambiente e Renda, Saúde e Bem-estar, Voluntariado e Ajuda Humanitária. No Viva Sabiá a integração de tecnologias vai contribuir para a transformação dessas comunidades, impactando positivamente a vida das pessoas”, falou o diretor de desenvolvimento social da Fundação Banco do Brasil, Rogério Biruel[AMdRB1] [LVF2] .  Desde 2001, a Fundação BB exerce o papel de certificadora de mais de 600 Tecnologias Sociais, trazendo soluções inovadoras para desafios socioambientais.

O PROGRAMA VIVA SABIÁ

Ainda no primeiro ano do Programa (2021-2022) cerca de 1 mil pessoas foram beneficiadas com as ações de acesso à água para consumo doméstico e humano, incluindo as ações de educação ambiental nas comunidades de Monte Alegre 1, Monte Alegre 2, Lajes e Livramento e Olho d’água da Onça, pertencentes aos municípios de Upanema, Caraúbas, Açu e Governador Dix-Sept Rosado. Com a ampliação, a expectativa é atingir cerca de 2.400 beneficiários diretos do Viva Sabiá.

10 contribuições sustentáveis do Programa Viva Sabiá:

1.       Melhoria da saúde por meio de alimento saudável e água segura;

2.       Saneamento de águas cinzas domésticas e água para consumo humano;

3.       Recuperação do solo na Caatinga, combate à desertificação e aumento da biodiversidade através da agroecologia;

4.       Acesso à alimentação segura e geração de renda de agricultores familiares;

5.       Promoção da segurança alimentar e da agroecologia;

6.       Ênfase no protagonismo feminino no cultivo dos quintais agroecológicos e renda; 

7.       Promoção de renda de populações mais vulneráveis, como assentados e agricultores familiares;

8.       Consumo e produção sustentável e regenerativa através da agroecologia;

9.       Reforço à melhoria das capacidades de convivência sustentável com o Semiárido;

10.   Mobilização de recursos humanos e financeiros a partir de múltiplas fontes, com a integração de uma grande empresa do setor de óleo e gás, uma Fundação do maior banco público do País e de uma ONG e da população local.

Mais Posts