Rádios digitais evoluem na oferta de formatos publicitários

Por Amanda Schnaider

Com a chegada da televisão e, posteriormente, da internet, muitos pensaram que o rádio morreria. Porém, essa previsão não se concretizou. Pelo contrário, o meio se reinventou com o passar do tempo, e continua atraindo a audiência brasileira e o investimento publicitário das marcas.

Segundo dados do Inside Rádio 2022, estudo anual da Kantar Ibope Media, 83% da população brasileira ouve rádio, sendo que três a cada cinco escutam diariamente e 7,4 milhões de brasileiros ouvem pela internet. Além disso, a média diária do consumo por pessoa é de 3h58 minutos.

Nesse contexto, a publicidade utilizada nesse formato também se transformou ao longo dos anos. “A tecnologia amplificou o nosso alcance, principalmente na publicidade”, frisa Danilo Fuin, diretor executivo da Novabrasil.

Além dos tradicionais spots, que ganharam mais espaço nos serviços de streaming de áudio, a Novabrasil também atende seus parceiros comerciais com imagens, vídeos e banners tradicionais. “No nosso caso, por exemplo, temos cerca de 3 milhões de oportunidades, que é a capacidade para levar nossos parceiros para o universo digital”, complementa Fuin.

A Rádio Transamérica explora diferentes formatos publicitários dentro dos seus espaços digitais. Segundo o diretor executivo da Rede Transamérica de Comunicação, Fábio Faria, dentre esses formatos estão ações de merchandising de produtos/serviços, inserts de QR code, visualização da marca em tela ou cenografia, e o tradicional spot em áudio. “A linguagem é diferente, mas esses formatos complementam a mídia off-line de nossos clientes que exploram os benefícios do rádio digital. Os vídeos para o rádio digital são adaptados para este formato”, enfatiza.

Spots ainda funcionam?

Mesmo com os spots sendo uma das primeiras formas de inserção publicitária no rádio, eles são uma realidade que cresce no streaming de áudio, revela o diretor executivo da Novabrasil. “Conseguimos levar o formato mais tradicional de publicidade do rádio também para o universo digital”.

Ainda assim, a emissora especializada em música popular brasileira conta com mídia display, branded content, projetos especiais, parcerias ou até formatos em vídeo, tanto ao vivo quanto por meio de cortes. O mesmo acontece com a Rádio Transamérica. “Realizamos produções especiais para essa mídia, utilizando todos os recursos em áudio e vídeo, já que transmitimos nossa programação esportiva nos nossos canais oficiais no YouTube e no Facebook”, reforça o diretor executivo.

Nesse contexto de anúncios digitais, Faria ressalta que a emissora utiliza as grandes plataformas de streaming, conteúdo e Google Analytics como suas principais fontes para métricas, onde analisa o acesso, perfil e geolocalização de sua audiência. Fuin, diretor executivo da Novabrasil, ainda salienta que o digital é o meio que mais permite exatidão nos números sobre audiência. “Sabemos nosso alcance pelo site, por data management platforms (DMPs) que identificam nosso público ou até por ferramentas que nos mostram como está a audiência no streaming”.

Fonte: Meio e Mensagem

Mais Posts