Copa do Brasil: quem realmente joga por ela?

por Larissa Maciel

Entramos na semana de mais decisões na Copa do Brasil. Aquela competição ideal pra quem está sedento por um título nacional novamente ou simplesmente começa a enxergar a disputa do brasileirão cada vez mais difícil. De temporada em temporada, a busca pela conquista da copa brasileira tem sido mais desejada, vista com um olhar expressivo, mas o rótulo que colocaram nela ainda segue um pouco “pregado”.

Na quarta, Flamengo e Grêmio, dois times que estão na busca pelo Brasileirão, vão se encontrar novamente. Não dá pra negar que temos um bom jogo a vista, mas com que pretensões? Pelo lado rubro negro, mesmo que exista o interesse na classificação, existe um olho torto indicando que a disputa corrida, aquela que muitos criticam, deveria ser priorizada. O Grêmio, por sua vez, tá na dele. Deseja o prato principal e a sobremesa, mas precisa lembrar que o garfo talvez só sirva para uma degustação.

Tem-se então alguém que deveria priorizar a Copa do Brasil: o Cruzeiro. Um bom time, bem armado, tem poderio suficiente para ser o grande bicho papão, como atual campeão que é. Vê três paulistas bem interessados, mas duvido muito da força do meu Corinthians, assim como do Santos. O Palmeiras, ao meu ver, é um time que vem deixando sua marca nessa briga e pode surpreender.

Mas voltando ao rótulo que eu falava ainda no primeiro parágrafo, é notório que entre defensores dos pontos corridos e do mata mata, existe um abismo entre o valor das duas competições. Jamais questionando a importância da Copa do Brasil, que fique claro! Mas entre Brasileirão e a própria, a gente nota que há uma tendência para a primeira. Como explicar isso? É simples! Tradição.

Esperarei então ver em breve a Copa do Brasil criar a sua própria cultura, ainda que a organização tenha buscado isso muitas vezes. Mas, enquanto isso não acontece, vou torcer para o meu time ir longe nela, porque no Brasileirão…. Xiiiii! Tá complicado.

Larissa Maciel – estudante de jornalismo do curso de Comunicação Social da UERN

Mais Posts