Um Brasileirão de corridos e concorrentes reconstrutores

por Larissa Maciel

Ah, o campeonato brasileiro! Que no último texto eu critiquei o seu retorno pelas questões técnicas e também pelas condições que a nossa querida CBF dá as equipes. Que segue com seus problemas, segue corrido pelo calendário, pela disputa de pontos e também por uma concorrência bonita de se ver entre dois gigantes do nosso futebol, que jogam de maneiras tão diferentes, mas buscam um sonho em comum.

De tão corrido e de pouca decisão, o Flamengo acabou parando no sábado contra o Grêmio, que já começou a mostrar porque é, talvez, a equipe mais consistente dos últimos anos. Hoje o São Paulo resolveu tirar a liderança rubro negra para confirmar que está mais do que na disputa, mas também busca sua reconstrução moral.

Antes de mais nada, longe de mim dizer que o tricolor paulista não é um clube respeitado. Mas o próprio torcedor e torcedora são paulinos sabem que os últimos anos foram difíceis de justificar, principalmente porque o clube era utilizado como referência em gestão e organização. E olha só! O Flamengo, concorrente deste tricolor, também busca a sua reconstrução moral. Afinal, os rubro negros também sabem que apesar de alguns títulos cariocas conquistados, o Fla precisava de um Brasileirão como este pra mostrar que quer voltar a reinar novamente.

E aí vem a questão: será o que o Grêmio vai deixar? Outro que segue sua caminhada pela “respeitabilidade” no vocabulário Titês, mas que vem fazendo isso desde 2017. Confesso que muito me agrada o futebol gremista e que talvez o seu grande diferencial é estar trabalhando este estilo de jogo há mais tempo que seus adversários.

Seria um brasileiro de reconstruções? Talvez! Mas o que mais me agrada em ver essa disputa é a possibilidade de tornar o campeonato mais bonito aos nossos olhos. Seja pela moral, seja pela tática, pela técnica ou pela taça, gosto desse Brasileirão ficando embolado de vez. Claro, porque meu time não está na disputa rs.

Larissa Maciel – estudante de jornalismo do curso de Comunicação Social da UERN

Mais Posts