OLEAGINOSAS: AMIGAS DO CORAÇÃO

por Marina Castro – Nutricionista – CRN 21432/P

Quando falamos em fontes de ômega-3 os primeiros alimentos que nos vêm em mente são os frutos do mar, e muitas vezes esquecemos das oleaginosas. Castanhas, amêndoas, pistache, nozes, macadâmia e avelãs são fontes de gorduras boas, e trazem uma série de benefícios à saúde quando inseridas em uma alimentação equilibrada.

Em um estudo divulgado recentemente na revista Journal of the American College of Cardiology, pesquisadores dos Estados Unidos ao analisar dados de mais de 200 mil pessoas, observaram que comer esses alimentos regularmente reduz as chances de surgimento de doença arterial coronariana e acidente vascular cerebral (AVC) em até 21%. Destacando ainda, que o consumo frequente de castanhas pode está relacionado à redução de fatores de risco cardiovascular, incluindo a dislipidemia, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica.

As oleaginosas também possuem ação antioxidantes, combatendo os radicais livres, pois contém boas quantidades de selênio e vitamina E. Da mesma forma, o potássio e o magnésio presentes, auxiliam na prevenção de cãibras e na redução do LDL colesterol (colesterol ruim).

Como consumir as oleaginosas?

A melhor maneira é “in natura”, pois não contém sal, evitando assim, um consumo excessivo de sódio. As oleaginosas são perfeitas para lanches intermediários, sejam elas acompanhadas por uma fruta, iogurte ou mesmo sozinhas. Mas também podem enriquecer preparações nas principais refeições, a exemplo das saladas.

Quanto posso comer?

Assim como absolutamente tudo na vida, excesso no consumo das oleaginosas também pode trazer malefícios. Ricas em gorduras, comer mais que o recomendado pode fazer você ganhar um peso indesejável. Além disso, a castanha-do-Pará é rica em selênio, e consumir mais de 10 unidades, por duas semana seguidas, pode acarretar uma alta concentração do mineral no organismo, causando intoxicação, que pode levar um aumento na queda de cabelo, unhas quebradiças, dermatite, fadiga, alterações no esmalte dos dentes e ainda alterações no sistema nervoso, causando irritabilidade e mau hálito. A quantidade recomendada para consumo são duas castanhas-do-Pará. Já castanha de caju, amêndoas, nozes e mecadâmia, quatro unidades cada.

Lembre-se sempre, NÃO EXISTE ALIMENTO MILAGROSO! O que existe são alimentos que incorporados a hábitos de vida saudáveis irão trazer benefícios a sua saúde.

Coma bem, para comer sempre!

Marina Castro – Nutricionista – CRN 21432/P

Mais Posts