Jovens que ficam online mais de 9 horas por dia podem sentir mais ansiedade, revela estudo

por Portal Canaltech

Na última sexta-feira (22), a Positivo Tecnologia, o Portal Educacional, a Katru Assessoria em Informação e o psiquiatra Jairo Bouer divulgaram um estudo chamado Tecnologia e o Jov12em, que aponta que mais da metade dos jovens brasileiros exagera às vezes ou sempre no uso de tecnologias, e isso impacta a saúde mental. De acordo com a análise, os adolescentes que ficam conectados mais de nove horas por dia têm risco 2,4 vezes maior de sentir coias como tristeza, ansiedade, angústia e estresse.

 “Não dá para dizer que a culpa é só da tecnologia. O impacto pode ser pessoal, familiar. Mas tem relação, sim. Apareceu de uma forma muito clara. Acho que mostra uma espécie de fragilidade”, afirma Bouer. Segundo ele, o aumento da exposição da vida pessoal, comentários agressivos e uma sensação de desprestígio podem resultar nesse impacto. “A sensação de que podem curtir ou não chama atenção para a autoestima. Eles já têm questões muito grandes nesse aspecto e as redes sociais pioram”, declara.

acordo com Ivete Gattás, coordenadora da Upia (Unidade de Psiquiatria da Infância e Adolescência) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), quanto mais os jovens ficam na redes, menos vivem a vida real. “Eles acabam vivendo num mundo paralelo em que todo mundo parece feliz, adequado. Conectado, não existe a falta. Ele aperta um botão e pode ter tudo. Se não gostou, desliga. É um modo de funcionar diferente do mundo real”, afirma.

 A profissional ressalta que o ciclo envolvendo postar, interagir e ficar alerta para novas interações afeta não só o psicológico, como também a saúde física, levando em consideração que o indivíduo come mal porque não quer se desconectar, para de fazer exercícios, e tem privação de sono. “No dia seguinte, não vai à escola ou dorme na aula, tem prejuízo cognitivo, acadêmico. Isso gera consequência na vida e no futuro dele”.

De Bouer também acredita que a conexão exagerada aumenta número de faltas, piora a nota e eleva risco de o aluno reprovar. “Apesar de ser uma geração que aprende de forma mais veloz, talvez o uso mais pesado das redes atrapalhe”, diz. Os números da pesquisa apontam para uma geração que parece sofrer mais. De acordo com Bouer, as redes sociais trazem uma comparação constante com o outro. “É um universo editado e acham que é verdade”, lamenta.

Mais Posts