Guia do sono do bebê

Como ajudar seu pequeno(a) a dormir melhor no primeiro ano de vida

Ter um bebê é uma benção, mas toda mãe sabe que quando eles chegam, muitas noites de sono se vão. Claro que tudo isso é um grande processo de adaptação para ambos, mas para que ele não seja lembrado com tanto trauma, o DaquiDali, com a ajuda do pediatra Sylvio Renan Monteiro de Barros, autor do livro “Seu bebê em perguntas e respostas – Do nascimento aos 12 meses”, elaborou um guia do sono para o primeiro aninho de vida, com dicas do que fazer para que o seu pequeno durma melhor (e consequentemente você também). O profissional dividiu em 1º semestre, com destaque especial para o 1º mês, e 2º semestre até 12 meses.

1º mês do 1º semestre

Deixe seu bebê saber que ele não está desamparado

O sono dele é irregular e a rotina é instável e aleatória. Até poucos dias ele estava em segurança, e do nada, está em um mundo completamente estranho. E quem poderá salvá-lo? Você, mamãe! “O bebê mama e dorme, mas pode acordar a qualquer minuto de novo, e é preciso tomar muito cuidado para atendê-lo toda vez que ele precisar, mas não precisa emergenciar! Se estiver lavando uma mão, tomando um leite, termine e vá atende-lo, para ele assim aprender que mesmo não lhe vendo, você vai chegar. Vale dizer um ‘mamãe está indo’, e quando ele relaxar, aproveite e repouse também para aguentar o tranco. Quando ele percebe que não está sozinho no mundo, vai se acalmando, e consegue dormir melhor, mas isso leva esse tempinho do primeiro mês”, diz o Dr. Sylvio.

Use seus poderes mais simples e fortes ao mesmo tempo

De acordo com o pediatra, exemplos que são altamente relaxantes nessa fase de descobrimento, são “a mãe cantando ou contando histórias (ele não entende, mas só de ouvir a mãe falando, tudo melhora) e contato físico (deixar que as peles se toquem, ótima oportunidade na hora da amamentação, se a temperatura do quarto não estiver fria). Eu indico esse contato, porque é um aconchego imenso para o bebê”.

Nem frio, nem quente, crie um agradável ambiente

A preocupação com a temperatura do ambiente se dá porque, de acordo com o especialista, “a criança sente mais frio e mais calor que o adulto. O mecanismo que regula isso nele ainda não funciona direito, por isso, agasalhe na medida certa, sem excessos para mais ou menos”. Essa é só uma das questões que merecem atenção na hora de montar o quartinho do bebê para recebê-lo em segurança, que você relê, aqui!

É preciso acordá-lo para que durma bem

Você também vai ver esse tópico mais para frente, mas em outras condições. Nesse caso, “o pequeno deve ser alimentado a cada três horas. Mesmo se estiver dormindo, acorde-o e alimente-o, para que não tenha o risco de hipoglicemia“, alerta o profissional.

Do 2º ao 5º mês do 1º semestre

Estipule o horário de ir dormir

O Dr. Sylvio revela que nessa fase, a criança já se adaptou àquele ambiente (o quartinho dela). “Mãe e pai precisam conversar para que a criança vá sempre a mesma hora para o berço (aconselho dar o banhinho sempre pouco antes de dormir porque é relaxante), pois se houver diferenças nisso, com cinco meses ela já sabe quem faz mais as vontades dela e vai chorar nos braços de quem não faz. Aliás, ela vai fazer umas birrinhas de vez em quando para dormir, e a mãe não deve abandoná-la, deve manter-se ali ao lado até ela pegar no sono, mas nada de levar ele para a sua cama ou ficar passeando pela casa”.

Adapte esse horário a um ritmo saudável

Ele pode ser o príncipe da casa, mas quando chegou já existia um ritmo de trabalho e convivência, que é interessante ser mantido, caso viesse funcionando. “Veja qual o horário que seu bebê costuma dormir, mas se for um muito complicado, vá adaptando para um mais confortável e condizente com o cotidiano de vocês. Se ele dorme muito cedo, brinque com ele um pouquinho mais, vá jogando o horário um cada vez mais para perto do que você precisa que ele durma. Isso vai ser muito útil mais para frente (no 2º semestre), caso ele precise ter uma rotina para ficar na creche ou escolinha. Se a criança reorganiza o ritmo da casa e dá certo, tudo bem, caso contrário, os conflitos podem ser constantes e graves”, esclarece o médico.

Cheque se está tudo em perfeitas condições

Com o ambiente você já sabe como fazer, agora é “passar o raio X” no bebê. “Antes de dormir, dê uma olhadinha se a criança está em perfeito estado, com a fralda limpinha sem xixi, cocô, se o bracinho ou a perninha não estão com risco de prenderem no berço, etc.”, recomenda o pediatra.

Cuidado com o barulho, mas só um pouco

O especialista explica que os barulhos normais da casa não devem ser evitados, “como a descarga, a TV, etc. Mantenha-os para que o pequeno se adapte. Agora, outros mais altos, como um som, uma gargalhada, precisam ser mais controlados porque incomodam ele e perturbam o soninho”.

Do 6º ao 12º mês – 2º semestre

Dê atenção de verdade

Com os cuidados habituais quanto às necessidades como alimentação e higiene, um bebê bem alimentado e saciado na necessidade dos pais vai dormir bem. Chegou em casa? Quer que ele durma melhor ainda? “Brinque com ele (sem estimulá-lo demais, nada de jogar para o alto, por exemplo), mostre que simplesmente está ali para ele, bote no bercinho (se estiver com o pai, melhor ainda). Todo esse afeto deixa a criança muito mais segura para dormir muito mais tranquila“, indica o especialista.

Adapte a rotina ao horário de verão aos poucos

Caso você precise adaptar o horário da mamada ao horário de verão, vá fazendo isso aos poucos, para que o bebê não sofra. Ele ainda está com esse mecanismo de regulação em construção, lembra? A dica do pediatra é: “comece mudando 10 minutinhos antes da hora habitual, depois 15 e por aí em diante. É preciso ter cuidado porque esse período, quando não tratado com a delicadeza certa, é um dos causadores de distúrbios de sono em crianças. E tudo que você não quer, é seu filho sem dormir direito, não é?”

Mais Posts