Como organizar o cantinho da criança de forma que favoreça seu desenvolvimento

Montar o quartinho do bebê é uma das atividades que mais demandam a atenção e carinhos dos pais. Mas, hoje, você vai aprender como organizar o cantinho da criança de modo inteligente, a partir do Sistema Montessori, que trabalha o ambiente do ponto de vista do desenvolvimento da criança, para que ela cresça mais autoconfiante.

O que é?

Para que você entenda, o Sistema Montessori de educação é chamado assim porque envolve a psicologia do desenvolvimento humano, “conhecendo todas as necessidades e capacidades predominantes em cada uma de suas etapas. É ainda uma filosofia de trabalho e uma metodologia com procedimentos e recursos para a sala de aula”, explica Sonia Maria Braga, fundadora e diretora pedagógica da Meimei Escola Montessoriana e presidente da Organização Montessori do Brasil.

Conheça os benefícios

Segundo a profissional, o sistema atende às necessidades sensoriais (cheirar, provar, manipular etc.) desde muito cedo. “Isso dá uma riqueza à estrutura cerebral e, consequentemente, o desenvolvimento cognitivo é maior e há também um favorecimento ao poder de concentração. Os recursos oferecidos ainda estimulam a criatividade e a autossuficiência da criança, pois ela aprende a resolver seus próprios problemas e não ficar sempre dependente dos adultos”.

Os móveis devem ser baixos e poucos

A cama tem que ser rasteira, porque, a partir dos seis, sete meses, a criança já começa a querer se movimentar mais e precisa ter liberdade para isso (no berço, ela precisa chorar até que alguém a tire de lá). “Se existirem estantes, que também estejam ao alcance dela, com brinquedos acessíveis, mas em pouca quantidade e sempre trocando-os, para que ela esteja sendo estimulada constantemente. Ah, quanto aos livrinhos, é válido respeitar cada fase, começando com os de banho, depois os de pano e em seguida os de papel. Se você tiver gavetas, coloque roupinhas dentro para que ela já possa abrir e escolher, mas tudo em pequenas quantidades, para que não haja a possibilidade de ela ficar perdida com tantas opções“, destaca a expert.

Aposte no minimalismo

Quarto de criança geralmente é bem poluído, com uma série de brinquedos, bichinhos, babados, estampas e etc. Mas, aqui, a dica é ser o mais minimalista possível. “A criança precisa de espaço para se movimentar, porque isso vai ajudar no desenvolvimento inclusive da linguagem. Quanto mais objetos, mais informação para ela processar, e mais uma vez a chance de ela ficar confusa”, lembra a especialista.Nada de tecnologia 

Uma das orientações de Sonia é não incluir recursos tecnológicos, como televisão, tablet etc., no quarto, “porque as imagens oferecidas por esse recurso são programadas e geram passividade na criança nesse início. “Ela fica entretida demais e a movimentação (indispensável) que ela teria se não tivesse esses aparelhos fica comprometida”.

A importância do espelho

Segundo Sonia, o espelho oferece um atrativo muito grande. “Ele permite que a criança vá se vendo e trabalhando a autoimagem. Ela vai descobrindo a sua identidade e isso é importante para a formação da personalidade. Ela percebe que não é outra pessoa e muitas vezes essa descoberta é feita através de brincadeiras, como um jogo fisionômico, quando ela faz caretas, por exemplo”.

Faça o serviço completo

Para benefício da criança, a especialista enfatiza que não basta apenas um quarto com essas características. “É preciso que os adultos também saibam lidar com ela e respeitem esse desenvolvimento, não tomando à frente nas ações que a criança possa fazer, por exemplo. Cada vez que ela tenta fazer algo e consegue, é uma conquista melhor que qualquer ‘prêmio’, como elogios ou palmas, e ela ainda se sente mais segura. O foco é no quartinho, mas é interessante que a casa toda tenha esse clima de desenvolvimento da autonomia“.

Por fim, é válido ressaltar que Montessori é uma filosofia de vida, sendo assim, tem que haver também uma “ambiência psíquica”. Mas o que isso significa? “Que o ambiente precisa ter tranquilidade e respeito entre as pessoas, pois lembre-se de que o pequeno absorve o que vê e o que ouve. Ah, e quando se fala em liberdade, não é deixar a criança sozinha para fazer o que quer, mas estar presente de verdade quando estiverem juntos, não no celular ou fazendo outra coisa. Participe realmente da vida dela!”, sugere a expert.

Fonte: Daqui Dali.

Mais Posts