As gorduras ou lipídios representam em média 34% de toda dieta consumida por nós, seres humanos. Fornecem, 9 Kcal de energia por grama. E toda gordura que não é utilizada rapidamente pelo nosso corpo é armazenada nas células adiposas. E é essa capacidade de armazenar grande quantidade de gordura por longos períodos, que nos torna capazes de sobreviver, estando privados de alimentos. Mas não só isso, a gordura é essencial para a digestão, absorção e transporte de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K), além de melhorar o sabor e consistência dos alimentos. As gorduras podem ser divididas basicamente em três grupos: Saturadas, insaturadas e trans. Gordura saturada: É a gordura encontrada principalmente em alimentos de origem animal. A mesma contém colesterol, e o seu EXCESSO está intimamente relacionado com doenças cardiovasculares. Atualmente existe uma grande discussão sobre a real influência das gorduras saturadas na saúde. Mas hoje, trabalharemos com as atuais diretrizes, onde é recomendado que menos de 7% do total de gordura da dieta, seja de gordura saturada. Mas sem neura, dá para comer leite integral e ovo, sim! Gordura trans: Gordura encontrada em pouca quantidade de forma natural, a maior parte é produzida artificialmente pela indústria alimentícia. Seu consumo vem sendo associado ao aumento do risco de doença arterial coronariana. O termo gordura boa é geralmente atribuído as gorduras instauradas, pelos benefícios associados ao seu consumo. Essas, são divididas em poli e monoinsaturadas. Apresentam consistência líquida em temperatura ambiente. As gorduras poli-insaturadas são encontradas principalmente nos óleos vegetais, auxiliam na diminuição dos níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue. Os mais conhecidos são os ômegas 3 e 6. · Ômega 3: É encontrado em peixes, sementes como chia e linhaça, além de oleaginosas. É anti-inflamatório. Ajuda no combate a depressão e a ansiedade. · Ômega 6: Presente principalmente em óleos vegetais. Age na síntese hormonal e auxilia no funcionamento adequado do sistema imunológico. As gorduras monoinsaturadas são as atribuídas a diminuição do risco de doenças cardíacas. Estão presentes no azeite de oliva, abacate e amendoins. São responsáveis pela diminuição do colesterol ruim (LDL) e aumento do colesterol bom (HDL). O medo das gorduras ainda é muito comum entre a população em geral, porém desnecessário. Como visto anteriormente as mesmas são essenciais e muito importantes para o nosso organismo. Acrescente-as a sua dieta habitual, existem vários alimentos ricos em gordura e benéficos para nossa saúde, como: Abacate, azeite, ovo (sim, ovo!), castanhas, chia, linhaça, peixes gordos e azeitonas. Evite produtos industrializados, esses, são ricos em gorduras trans, e não há discussão, são prejudiciais à saúde do seu coração. Dietas Low carb High fat (baixo carboidratos e alto teor de gordura) estão em alta. Mas cuidado, apesar de alguns estudos mostrarem seus benefícios, não comece uma dieta dessas sozinho. Inúmeros fatores são levados em consideração antes da indicação da mesma. Procure um profissional! Marina Castro – Nutricionista – CRN 21432/P
O Partage Shopping Mossoró realiza no próximo sábado, 16 de dezembro, o Partage Pet especial de Natal. A ação faz parte da programação Natal Inesquecível do empreendimento e visa fomentar a adoção de cachorros e gatos com a campanha “Adote uma Rena”, além de convidar as pessoas a trazerem seus bichinhos para tirar fotos com o Papai Noel. A campanha “Adote uma Rena” foi criada pelo Partage Shopping Rio Grande, e tem em 2017 sua primeira edição em Mossoró. A ação tem como parceiro o Movimento de Proteção Animal de Mossoró, e acontece entre as 16h e 21h. Lembrando que a adoção não tem nenhum custo, a única troca pedida é o comprometimento em cuidar do animal com dedicação e amor. O nome da campanha faz uma alusão às ajudantes do Papai Noel, as renas, e para adotar o novo companheiro não tem nenhum custo, porém, o Interessado deve levar documento com foto e comprovante de residência além de assinar um termo se comprometendo em cuidar bem do animal. E para quem já tem o seu animalzinho de estimação de pequeno porte, o Partage Shopping Mossoró convida-os a passear no shopping e tirar a foto do seu PET com o Papai Noel, desde que atenda as normas institucionais disponíveis no site oficial (www.partageshoppingmossoro.com.br). A ação tem o objetivo de mostrar a importância da proteção e cuidado com animais.
O coletivo de jornalismo independente Repórter de Rua, coordenado pelo jornalista e professor do curso de Comunicação da UERN Esdras Marchezan, foi selecionado pela Conectas Direitos Humanos para participar da 3ª Feira de Ideias, evento promovido anualmente em comemoração ao Dia Internacional de Direitos Humanos. A Conectas Direitos Humanos é uma organização não governamental internacional, sem fins lucrativos, fundada em setembro de 2001, em São Paulo. A edição deste ano ocorre dia 11 de dezembro, em São Paulo, e contará com 23 trabalhos realizados por estudantes, pesquisadores, ativistas e jornalistas, além de coletivos e organizações da sociedade civil. Ao todo, 69 propostas foram inscritas. Cada vencedor sediado fora de São Paulo receberá R$ 1 mil de bolsa para custear transporte e hospedagem. O coletivo Repórter de Rua foi o único projeto selecionado do Rio Grande do Norte pela Conecta. Além de Marchezan, o jornalista José Paiva Rebouças e o fotógrafo José Bezerra integram o coletivo atualmente. A curadoria da feira avaliou os projetos de acordo com relevância do tema para os direitos humanos; objetividade, clareza e criatividade na apresentação da proposta; diversidade e adequação da proposta apresentada ao contexto atual. Esdras Marchezan vai apresentar duas das quatro reportagens realizadas em multimídia pelo Coletivo. Bravos (2015) e Filhos do Fogo (2016) abordam as condições de trabalho no interior do Rio Grande do Norte. Em Bravos, o repórter Esdras Marchezan e o fotógrafo Jean Lopes contam a história de superação dos trabalhadores que atuam na extração da palha e da cera da Carnaúba, no vale do Açu, no Rio Grande do Norte. Já em Filhos do Fogo, José de Paiva Rebouças, Esdras Marchezan e o repórter José Bezerra narram o cotidiano dos trabalhadores nas caieiras da região de Equador, na divisa entre o Rio Grande do Norte e a Paraíba. As reportagens foram premiadas por entidades importantes, como o Ministério Público do Trabalho, Tribunal Regional do Trabalho e Prêmio Petrobras de Jornalismo. Marchezan esperar estreitar contatos e buscar orientações no Conectas sobre novas possibilidades de financiamento para a manutenção do coletivo Repórter de Rua. – É uma feira interessante de projetos envolvem iniciativas independentes. Estou indo com a expectativa de apresentar o Repórter de Rua para outros públicos, tentar estabelecer parcerias com outros colegas e, via Conectas, ver a possibilidade e orientação sobre a questão de financiamento, de apoio à sustentabilidade do projeto. O Repórter de Rua foi criado em 2013 por iniciativa de professores e estudantes do curso de Comunicação da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). O jornalista ainda estuda alternativas de retomar a produção de reportagens, realizando parcerias ou oficializá-lo como projeto de extensão da Universidade. – O Repórter de Rua nasceu em 2013 e foi uma iniciativa com o objetivo de tentar manter viva a reportagem de rua no jornalismo. E com uma característica peculiar: usando narrativas para o web jornalismo, trabalhamos com a reportagem multimídia. Cada projeto tinha colaboradores, tanto profissionais e estudantes do curso de comunicação. Hoje estamos eu, o José Paiva e o José Bezerra. E temos buscando profissionalizar o projeto, ver como conseguimos colaboradores, parcerias… já queremos trabalhar em parceria com a agência Saiba Mais, e fortalecer o viés acadêmico do projeto, seja através do projeto de extensão da universidade ou com a universidade como parceira. Estamos avaliando tudo isso ainda. Fotos: Jean Lopes (capa) e José Bezerra (interna)
A reportagem “A Lei na Melhor Idade” da rádio 95 FM se consagrou a vencedora do V Prêmio de Jornalismo do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), na categoria Radiojornalismo.  O anúncio foi feito hoje pela manhã, em evento realizado na sede da Procuradoria-Geral de Justiça (PGJ), em Natal. A equipe campeã é formada por Moisés Albuquerque, Tárcio Araújo, Elisângela Moura e Fabiano Júnior. “Há quatro anos estávamos eu e Tárcio aqui em Natal para receber o prêmio FIERN de Jornalismo. Lembro que ao chegarmos de volta à TCM, doutor Milton Marques nos recebeu na sala dele e fizemos uma foto comemorativa. Ele sempre foi um entusiasta da comunicação e vibrava com as conquistas da rádio. Hoje subimos mais uma vez ao lugar mais alto do pódio, só que para o Prêmio de Jornalismo do Ministério Público. Em nome da equipe que trabalhou nessa produção, dedico essa vitória ao professor. Ele certamente está vibrando junto com o time da 95 FM/TCM. Agradecer ainda o apoio de sempre da direção, nas pessoas de Zilene Medeiros e Janaina Nunes”, disse o jornalista Moisés Albuquerque.  Os trabalhos inscritos foram avaliados por uma banca composta pelos jornalistas Breno Perruci, presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Norte (Sindjorn); Marília Rocha, coordenadora de Comunicação da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte; Zenaide Castro, assessora de Comunicação da Associação do Ministério Público do RN; Marina Lino, chefe do Setor de Imprensa do MPRN; e Giselle Ponciano, analista de Comunicação do MPRN. A premiação reconheceu os melhores trabalhos jornalísticos veiculados no Estado sobre a temática “MPRN 125 anos: na defesa dos direitos da sociedade potiguar”. “O jornalismo TCM recebe prêmio com destaque na construção da informação. O merecimento é resultado do profissionalismo. A premiação é símbolo da competência. Felizes estamos por vocês da equipe serem TCM”, parabenizou a diretora do Grupo, Zilene Medeiros. 
O Partage Shopping Mossoró terá horário de funcionamento alterado na próxima quarta-feira, 13 de dezembro. Em virtude do feriado de Santa Luzia, padroeira da cidade, as lojas e quiosques estarão fechados durante todo o dia. Já a praça de alimentação e o boliche começam suas atividades a partir das 11h, com expediente até as 22h. O cinema funciona a partir das 14h.
O núcleo Mossoró do projeto GerAção Solidária realizará nos dias 08/12 e 09/12 o encontro territorial de jovens da economia solidária – polo Mossoró, com o tema “Juventude em rede: construindo uma economia feminista e solidária”. A atividade é voltada para jovens de grupos da economia solidária  e tem como objetivo principal a articulação desses jovens, fomentando a formação de uma rede estadual de juventude solidária, além de atender a outros aspectos. A ocasião contará com oficinas temáticas intituladas: “Feminismo e economia solidária” e “Juventude construindo uma economia solidária e justa”. Além disso, será realizada uma visita à Feira de Economia Solidária do bairro Nova Vida, onde haverá a interação com a comunidade, a apreensão de saberes práticos a partir da atividade dos grupos que participam da feira e apresentações culturais, e um intercâmbio para conhecer o trabalho de jovens com agroecologia e economia solidária na unidade produtiva da comunidade de Paulo Freire. ​No dia 08 o evento acontece na Chácara Sonho Meu, em Sussuarana, zona rural de Mossoró, a 12 km da rotatória da UERN, no caminho de Areia Branca, nas margens da BR 110.  À noite do dia 08 a programação será no bairro Nova Vida, a partir das 18h na Praça Rivelino Pereira, em frente à Capela São José Operário. No sábado, o intercâmbio será na comunidade Paulo Freire, zona rural de Mossoró, acesso pela BR após a saída para Natal, a partir das 8h30 da manhã. Ainda no Sábado, acontecerá o encerramento das atividades, às 11h, na sede do grupo Mulheres em Ação, também no bairro Nova Vida, na rua Herondina Cavalcante Dantas, 2082, após o mosteiro.  O projeto GerAção Solidária é uma iniciativa do Ministério do Trabalho, através da Subsecretaria de Economia Solidária (SENAES), junto com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e é executado pela Fundação de Apoio ao IFRN (FUNCERN). São parceiros do projeto o Centro Feminista 8 de Março e a Rede Xique-Xique.
Vendida já para 96 países, a animação “Show da Luna” é mais um item no grosso catálogo que a produtora brasileira TV Pinguim leva à MIPCom, feira de TV mundial, que começa dentro de 10 dias, em Cannes. Nesse mapa, há países da África anglófona e lusófona, no território chamado EMEA (Oriente Médio e norte da África) e vários países da Ásia. A bagagem para o Sul da França inclui até uma terceira temporada da série, ainda inédita aqui, que acaba de sair do forno. Voltada ao público de 4 a 7 anos, com foco nas meninas, a animação brasileira exibida aqui pelo canal Discovery Kids apresenta, afinal, uma menina cientista de 6 anos no centro de sua narrativa. Não é uma princesa, não é uma fadinha nem tem receio de buscar respostas para tantas curiosidades. Normalmente, enredos de ficção envolvendo cientistas são protagonizados pelo sexo masculino. No “Show da Luna”, isso se inverte de modo orgânico, como tem de ser, sem panfletagem ou militância. Simplesmente Luna convida os amigos a buscar respostas para ações práticas no dia a dia, a partir de perguntas como: “Como a água vira chuva?”, “Será que tem alguém vivendo em Marte?”, “Por que as bolhas são redondas?”. Nesse contexto, Luna é um bem inestimável à cabecinha não só das meninas, que veem na personagem uma possibilidade de espelho, mas também nos garotos, que aprendem a respeitar nelas a competência para tanto. STEM (Science Technology Engineering Maths) no Brasil ainda é disciplina fraca, e mais ainda para meninas. Desde cedo, elas têm sua criatividade e inventividade podadas por crerem que ser gênio é obra para garotos. Isso enfim está mudando, mas ainda falta equilibrar o jogo. Ainda há um conjunto de esterótipos que começa a moldar os interesses das crianças desde muito cedo. Não é de se duvidar que isso possa inclusive reduzir as opções de carreiras a serem escolhidas por elas no futuro. É comum encontrar a percepção de que meninos são melhores em matemática, desde o 1º ano do Ensino Fundamental. O espaço das Ciências é aberto majoritariamente a homens, que recebem mais incentivo e também mais reconhecimento. Uma pesquisa realizada pela Microsoft em 2016 revelou que as meninas começam a se interessar por matérias exatas (STEM) só aos 11 anos, e costumam perder o interesse aos 15. A ideia de que elas são mais delicadas, sensíveis e frágeis conspira contra a força de desbravar, com coragem, fronteiras desconhecidas que possam resultar em descobertas brilhantes. Qual incentivo recebe uma menina que tem potencial para ser uma “gênia”, por exemplo, em engenharia química, jogadora de futebol ou guitarrista? Em geral, muito pouco ou até uma torcida contrária. É grande a chance de haver aí um potencial criativo jogado fora. Estudo realizado pela Gender in the Global Research Landscape, de março deste 2017, aponta que hoje, as mulheres publicam quase metade dos artigos científicos do Brasil (49%). Entre 2011 e 2015, esse número foi de 153.967 artigos, 126.406 a mais do que em Portugal, segundo colocado nesse quesito. Outro ponto positivo aqui é o número de inventoras, que cresceu de 11% para 17% entre 1996 e 2015, forçando a participação cada vez maior de mulheres nas áreas da ciência. Ou seja, podemos ter esperança. https://youtu.be/XOsY9Iw9jE0
Uma parte da história da política mossoroense está em livro e será lançado próximo dia 21 de dezembro pelo jornalista Bruno Barreto - UERN/95FM/TCM.  "Os Rosados Divididos: como os jornais não contaram essa história" será lançado no Memorial da Resistência (Sala Joseph Boulier), às 19h30. A publicação sai pela editora mossoroense Sarau das Letras. Bruno conta no livro como se deu a divisão política de uma das famílias mais tradicionais na história política do RN, na década de 1980.  A obra é fruto de uma dissertação de mestrado, que aborda o tema a partir da cobertura dos jornais Gazeta do Oeste e O Mossoroense.  O jornalista já iniciou o processo de pré-venda. Quem tiver interesse em adquirir o exemplar deve entrar em contato pelo número: (84) 9 8889 3574.
Quando falamos em fontes de ômega-3 os primeiros alimentos que nos vêm em mente são os frutos do mar, e muitas vezes esquecemos das oleaginosas. Castanhas, amêndoas, pistache, nozes, macadâmia e avelãs são fontes de gorduras boas, e trazem uma série de benefícios à saúde quando inseridas em uma alimentação equilibrada. Em um estudo divulgado recentemente na revista Journal of the American College of Cardiology, pesquisadores dos Estados Unidos ao analisar dados de mais de 200 mil pessoas, observaram que comer esses alimentos regularmente reduz as chances de surgimento de doença arterial coronariana e acidente vascular cerebral (AVC) em até 21%. Destacando ainda, que o consumo frequente de castanhas pode está relacionado à redução de fatores de risco cardiovascular, incluindo a dislipidemia, diabetes tipo 2 e síndrome metabólica. As oleaginosas também possuem ação antioxidantes, combatendo os radicais livres, pois contém boas quantidades de selênio e vitamina E. Da mesma forma, o potássio e o magnésio presentes, auxiliam na prevenção de cãibras e na redução do LDL colesterol (colesterol ruim). Como consumir as oleaginosas? A melhor maneira é "in natura", pois não contém sal, evitando assim, um consumo excessivo de sódio. As oleaginosas são perfeitas para lanches intermediários, sejam elas acompanhadas por uma fruta, iogurte ou mesmo sozinhas. Mas também podem enriquecer preparações nas principais refeições, a exemplo das saladas. Quanto posso comer? Assim como absolutamente tudo na vida, excesso no consumo das oleaginosas também pode trazer malefícios. Ricas em gorduras, comer mais que o recomendado pode fazer você ganhar um peso indesejável. Além disso, a castanha-do-Pará é rica em selênio, e consumir mais de 10 unidades, por duas semana seguidas, pode acarretar uma alta concentração do mineral no organismo, causando intoxicação, que pode levar um aumento na queda de cabelo, unhas quebradiças, dermatite, fadiga, alterações no esmalte dos dentes e ainda alterações no sistema nervoso, causando irritabilidade e mau hálito. A quantidade recomendada para consumo são duas castanhas-do-Pará. Já castanha de caju, amêndoas, nozes e mecadâmia, quatro unidades cada. Lembre-se sempre, NÃO EXISTE ALIMENTO MILAGROSO! O que existe são alimentos que incorporados a hábitos de vida saudáveis irão trazer benefícios a sua saúde. Coma bem, para comer sempre! Marina Castro – Nutricionista – CRN 21432/P